Close
reluctant cold wariorrs

RECENSÃO CRÍTICA: RELUCTANT COLD WARRIORS – VLADIMIR KONTOROVICH

http://gurupolitico.pt/wp-content/uploads/2024/04/recensao-critica-reluctant-cold-warriors.pdf

PARTE INFORMATIVA

1.1

A Sovietologia foi uma pode ser entendida como uma disciplina académica existente sobretudo durante o período da guerra fria no “ocidente” cujo objeto de estudo residia nos vários domínios da sociedade soviética incluindo o político, social, histórico, cultural e económico (Kontorovich , 2019).

No seu livro, o autor expõe a desconsideração por parte dos estudiosos na área da Sovietologia pela importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética.

1.2

A estrutura formal da obra contempla 3 partes. A primeira parte contem 2 capítulos com os respetivos subcapítulos, tendo por objetivo esclarecer as origens e a estrutura da Sovietologia, tal como, demonstrar a importância real do setor militar soviético e do complexo industrial militar para a economia soviética. A segunda parte contem 3 capítulos com os respetivos subcapítulos, cujo conteúdo relata as ações concretas praticadas pelos Sovietologos que levam

o autor a conclusão de que os mesmos desconsideraram a importância do setor

militar soviético para a economia soviética. A terceira parte contém igualmente 3 capítulos, com os respetivos subcapítulos que se dedicam ao estudo profundo das razões que levaram os estudiosos da área da Sovietologia a praticar as ações que posteriormente se traduziram numa postura de desprezo da importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética.

1.3

O livro te analisado no âmbito desta recensão critica, tem como objetivo determinar a desconsideração da importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética que os estudiosos na área da Sovietologia lhe atribuíram (Kontorovich , 2019) e sobretudo na examinação exaustiva das causas que levaram os Sovietologos a manifestar a falta de interesse a atribuição da importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética.

1.4  

METODOLOGIA

Explicitamente, o autor apresenta o seu quadro metodológico conceptual de seguinte forma; “eu estabeleço a existência da negligencia do setor militar utilizando um método simples e transparente, comparando o número de referências aos setores militar e civil na literatura Sovietologica” (Kontorovich , 2019, p. XVIII).

O autor não faculta explicitamente explicações adicionais relativas a metodologia de investigação utilizada, pelo que, ao ler a frase acima citada, presumir-se-ia uma abordagem de caracter positivista e quantitativa baseada sobretudo na elaboração e interpretação de gráficos estatísticos decorrentes do número de referências na literatura Sovietologa ao setor militar soviético, as intenções militares dos responsáveis soviéticos e a industrialização soviética.

Já implicitamente, o quadro metodológico conceptual empregue pelo autor apresenta algumas nuances. Ele não se desvincula de uma abordagem maioritariamente positivista quantitativa, porem, recorre parcialmente a uma abordagem pós positivistas qualitativa, como explicado nos parágrafos a seguir.

O autor recorre ao uso de uma abordagem positivista para explicar as razões que levaram os Sovietologos a desconsiderar a importância do setor militar soviético para a economia soviética, demonstrando assim uma relação causa-consequência.

Para compreender o autor, é necessário efetuar o processo de desdobramento logico que leva o autor a chegar a consequência e a conclusão principal da sua investigação (os Sovietologos manifestaram uma falta de interesse na atribuição da importância do setor militar no contexto da economia soviética).

Através do método positivista quantitativo que consistiu na análise das referências (não) proferidas ao setor militar soviético pela literatura Sovietologa e a sua posterior apresentação sob forma de tabelas de dados organizados, efetuada no capítulo 3 o autor delimita claramente a causa e a consequência estudadas[1];

a causa: a baixa presença de referências na literatura Sovietologa ao setor militar soviético

a consequência: os Sovietologos manifestaram uma falta de interesse na atribuição da importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética

O mesmo acontece no capítulo 4, no qual novamente através do método positivista quantitativo o autor explica o facto de que os Sovietologos não identificaram as intenções militares dos responsáveis soviéticos pela planificação da economia, com base na análise do conteúdo da literatura Sovietologa responsável por este domínio económico, posteriormente apresentado sob forma de tabelas de dados organizados. O autor delimita mais uma vez de forma clara a causa e a consequência estudadas[2];

a causa: a baixa presença de referências na literatura Sovietologa a respeito das intenções militares dos responsáveis soviéticos pela planificação da economia

a consequência: os Sovietologos manifestaram uma falta de interesse na atribuição da importância do setor militar no contexto da economia soviética.

O mesmo acontece no capítulo 5, no qual mais uma vez, através do método positivista quantitativo o autor analisa a forma como os Sovietologos não foram capazes de identificar a principal causa da industrialização soviética, que segundo o autor, consistia no fortalecimento da indústria militar, com base na análise do conteúdo da literatura Sovietologa responsável por este domínio económico. Também neste caso, o autor delimita claramente a causa e a consequência estudadas[3];

a causa: a baixa presença de referências na literatura Sovietologa a respeito da industrialização soviética tendo como seu principal objetivo o fortalecimento do indústria militar

a consequência: os Sovietologos manifestaram uma falta de interesse na atribuição da importância do setor militar no contexto da economia soviética

Posteriormente, nos capítulos 6 e 7 o autor apresenta as 2 causas[4] (1- Normas gerais da economia académica da qual a Sovietologia era uma pequena parte, 2- Especificidades especiais do caso soviético/socialista e as sensibilidades politicas associadas ao objeto de estudo) que originam os 3 motivos anteriormente descritos[5] (1- Os Sovietologos não proferiram referencias significativas ao setor militar soviético na sua literatura, 2- Os Sovietologos não identificaram as intenções militares dos responsáveis soviéticos pela planificação da economia, 3- Os Sovietologos não foram capazes de identificar a principal causa da industrialização soviética, que consistia no fortalecimento da indústria militar) que por sua vez levam a consequência e principal conclusão da investigação do autor (os Sovietologos manifestaram uma falta de interesse na atribuição da importância do setor militar no contexto da economia soviética).

A analise das 2 causas incipientes que posteriormente criam espaço para as 3 ações concretas de Sovietologos que por sua vez levam a consequência final desta investigação, é elaborada com recurso a uma abordagem pós positivista qualitativa pois, neste domínio o autor procura compreender as motivações que levaram o Sovietologos a perseguir os seus objetivos pessoais (ascensão de carreira) em detrimento da ética cientifica e do avanço na produção de novos conhecimentos científicos, adotando métodos de analise da disciplina geral de economia que não poderiam ser considerados os mais adequados neste caso (Kontorovich , 2019). A compreensão deste fenómeno resulta segundo o autor do facto de que em termos de reconhecimento e progresso profissional, um investigador de um campo de estudos marginal como a Sovietologia, teria mais benefícios em perseguir problemas e utilizar técnicas da disciplina mais ampla (Kontorovich , 2019). Uma outra manifestação da abordagem pós positivista qualitativa por parte do autor pode ser evidenciada na forma como o autor tenta compreender o contexto no qual o setor militar soviético se tornou um tema delicado no contexto da política ocidental e que poderia levar o investigador envolvido no estudo do mesmo a arrecadar experiências negativas na sua vida profissional (Kontorovich , 2019), abrindo assim espaço para as ações concretas de Sovietologos que por sua vez levaram a conclusão principal do autor.

O autor utiliza um método dedutivo na sua investigação. Kontorovich estabelece no início do seu livro, que o seu objetivo é demonstrar a desconsideração existente por parte dos estudiosos na área da Sovietologia pela importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética, estabelecendo assim uma premissa geral (a desconsideração), verificando posteriormente a aplicabilidade dessa premissa geral ás instâncias particulares (detalhadas nos parágrafos anteriores[6]), seguindo uma logica do geral para o particular, típica de uma abordagem dedutiva.

TEORIA

A presente investigação carece de um enquadramento teórico conceptual explicito, pois em momento algum o autor identifica explicitamente o modelo teórico a ser utilizado.

Implicitamente é viável uma interpretação extensiva da teoria construtivista, em virtude de se considerar que a perceção predominante da URSS como uma potencia não militarizada ou “civilizada” (termo utilizado pelo autor para classificar o processo de negligencia dos Sovietologos nas análises das intenções militares Russas) é uma noção socialmente construída sendo que a construção social estabelecida coletivamente pelos Sovietologos como predominante diverge da noção do grau de militarização da URSS que o autor perceciona[7]. Segundo o autor, a realidade material existente, isto é, a URSS como uma potencia cujo principal foco económico seria o fomentar de um setor militar forte, foi percecionada de forma “civilizada” por um conjunto de atores relevantes para o efeito como; os Sovietologos, a área académica económica geral e os governos ocidentais, ou por outras palavras dito, ignorada. Desconsideração esta, que nas analises e interpretações do autor não teve o mínimo espaço de existência e foi fortemente criticada, afirmando mesmo que os dirigentes soviéticos e a indústria soviética tinham como principal objetivo a criação de um setor militar forte, facto ignorado pelos Sovietologos.

A desconstrução bem-sucedida promovida pelo autor da perceção coletivamente construída que consistia na “civilização Sovietologa das intenções militares soviéticas”, apenas confirma o postulado construtivista de Wendt que partiu da noção anárquica no sistema internacional como aquilo que os estados dela fazem (Wendt, 1992) para extrapassar esse conceito em direção a um modelo de regra geral; uma realidade é o que nos dela fazemos, pois a perceção sobre o mesma é socialmente construída.

1.5

A extensa variedade de referências bibliográficas utilizadas pelo autor é merecedora de destaque, são contabilizadas um total de 883 referencias bibliográficas ao logo de toda a investigação. É de destacar o desequilíbrio verificado na utilização pelo autor de fontes de caracter secundário em detrimento de fontes de caracter primário, este desequilíbrio porem é justificado pela natureza da investigação científica, pois sendo o objeto de estudo do autor a avaliação da abordagem proferida por parte da “Sovietologia” ao setor militar soviético no contexto da economia soviética a totalidade da bibliografia analisada pelo autor são justamente as investigações cientificas (artigos científicos, livros temáticos, capítulos de livro, e livros técnicos) de caracter secundário produzidas pelos Sovietologos. Verifica-se ainda uma utilização equilibrada por parte do autor de fontes de origem ocidental e de bibliografia proveniente do espaço soviético. Os autores mais citados pelo Kontorovich são os investigadores nas áreas da economia comprativa com especialização em Sovietologia Abraham Bergson, Morris Bornstein, Michael Ellman, Paul Gregory e Alec Nove. Estes autores são a alegoria da tese inicial de Kontorovich, foram justamente eles que sendo as maiores autoridades no campo de estudos da Sovietologia menosprezarem a importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética.

PARTE CRÍTICA

2.1

O problema teórico é definido pelo autor de forma clara na parte inicial da sua investigação e consiste na existência de uma negligencia da Sovietologia na avaliação da importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética. Enquanto nos capítulos 3, 4 e 5 o autor testemunha a falha existente[8], os capítulos 6 e 7 servem o propósito de exploração das causas que conduziram a essa falha[9] (Kontorovich , 2019), não deixando assim espaço para interpretações erróneas, sendo que todo o trabalho efetuado pelo autor posteriormente segue uma clara linha de raciocínio que pretende fornecer um conjunto de argumentos que validem a comprovação da negligência proferida pela Sovietologia ao setor militar soviético.

2.2

Preliminarmente o autor é pertinente ao demonstrar a relevância do setor militar soviético para a economia soviética[10].

O autor demonstra a importância do setor militar soviético para a economia soviética através da análise do peso da despesa militar soviética em tempos de guerra e de paz, que apesar da dificuldade no seu apuramento concreto sempre se materializou maior do lado soviético do que do lado dos países ocidentais, quando comparada em termos percentuais ao PIB (Kontorovich , 2019), como também através da análise de discurso de líderes soviéticos como a famosa frase do Gorbachev “Defesa é tudo” (Kontorovich , 2019, p. 25). Juntando a este facto o autor remete ainda para a necessidade de circunspeção na interpretação dos dados da despesa militar soviética existentes, devido por um lado a subsidiarização dos preços pagos pelos militares aquando da aquisição de bens e serviços[11], (Kontorovich , 2019) e por outro a desconsideração estatística de despesas militares com origem que não no ministério da defesa soviético (Kontorovich , 2019). Estes 2 fatores permitem um subestimar ainda maior dos recursos que seriam alocados pelos soviéticos no seu setor militar.  Ao agregar estes fatores o autor é claro na sua mensagem, o setor militar soviético é digno de destaque e em virtude desta circunstância é importante perceber por que razão a Sovietologia o menosprezou. De destaque considera-se ainda o seguinte; se o autor não peca na sua analise ao referir as situações nas quais se admite um eventual subestimar da despesa militar soviética o mesmo não se pode referir relativamente a desconsideração por parte do autor de um elemento basilar e presente em todas as camadas e setores da sociedade soviética, a corrupção institucional (Freitas, Silva, & Mateus , 2020) e que pode ter eventualmente contribuído para uma sobrevalorização da despesa militar soviética. Por que razão a consideração da corrupção soviética pode ser importante para estabelecer um equilíbrio na balança das suposições da despesa militar soviética em termos reais? Pelo simples facto de que a corrupção institucional na União Soviética (explicitada pelos autores anteriormente mencionados) na União Soviética poderia levar a que uma boa parcela das verbas destinadas as despesas militares sejam elas originadas diretamente do ministério da defesa ou não eventualmente não seriam utilizadas para fins militares de facto, mas sim reencaminhadas para outros fins de proveito pessoal de determinados agentes da nomenclatura soviética.

Nos capítulos 3, 4 e 5 o autor demonstra a manifestação da falta de interesse por parte da Sovietologia na atribuição da importância ao setor militar no contexto da economia soviética por via da; 1- baixa presença de referências na literatura Sovietologa direcionada ao setor militar soviético, para este efeito é de destacar positivamente a analise exaustiva por parte do autor de livros, artigos científicos, volumes de pesquisa, capítulos de livros e livros temáticos. 2- Desconsideração pelos Sovietologos das intenções militares dos responsáveis soviéticos pela planificação da economia, por exemplo através da incapacidade dos Sovietologos em reconhecer o objetivo real dos planeadores soviéticos quando estes estimularam o investimento na indústria pesada, cujo objetivo final teria sido o fortalecimento do setor miliar a longo prazo (Kontorovich , 2019). 3- Incapacidade por parte dos Sovietologos em identificar a principal causa da industrialização soviética, cujo principal motivo consistia no fortalecimento da indústria militar (Kontorovich , 2019). A descrição exaustiva dos 3 fenómenos[12], acima descritos estabelece um fundamento solido que sustenta o argumento da falta de interesse por parte da Sovietologia na atribuição da importância ao setor militar soviético defendido pelo autor.

A obra de Kontorovich é merecedora de destaque positivo, em virtude de contrariamente a autores como o Cohen e Mália que também estabeleceram as suas criticas á Sovietologia, porem fazendo-o de um modo genérico (Breslauer, 1992), e contrariamente a autores como o Pipes que critica a Sovietologia pela adoção de interpretações erróneas da realidade do sistema soviético através categorias mais racionais e otimistas inventadas pelas ciências sociais ocidentais (Remington, 1992), Kontorovich é bastante rigoroso e concreto na identificação das causas que justificam a legitimidade de afirmar que os Sovietologos menosprezaram a importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética, ao alistar os pontos enunciados nos parágrafos anteriores.

Por último nos capítulos 6 e 7 o autor remete para as razões que levaram a Sovietologia a menosprezar o setor militar soviético, destacando-se mais uma vez o trabalho minucioso do autor que justifica a falha dos Sovietologos por conta das sua práticas internas como por exemplo o facto de que os mesmo perseguiam os seus objetivos pessoais (ascensão de carreira) em detrimento da ética cientifica e do avanço na produção de novos conhecimentos científicos, adotando métodos de analise da disciplina geral de economia que não poderiam ser considerados os mais adequados neste caso (Kontorovich , 2019). De destaque relevante considera-se ainda o contributo do autor para a desmistificação a priori da hipótese do secretismo soviético como uma razão valida para a falha dos Sovietologos na consideração do setor militar soviético (Kontorovich , 2019)[13].

Por último é extremamente interessante verificar que por conta da perceção errada do grau de militarização soviético da Sovietologia, alegada na obra de Kontorovich, a securitização do governo americano relativamente a União Soviética que compreende a classificação da União Soviética como uma ameaça para o governo americano através de processos de construção discursiva não deixou de acontecer. Durante a guerra fria ambas as potências viveram determinados momentos de tensão e reconheceram-se mutuamente como adversários coexistindo num sistema internacional bipolar. Por que razão o governo americano adotou um comportamento contrário as premissas provindas das análises da Sovietologia? Pode-se considerar que a Sovietologia não desempenhava um papel de um ator consultivo relevante para o governo americano? Pois se assim fosse provavelmente existiria uma desconsideração por parte do governo americano das intenções militares soviéticas tal como a Sovietologia o fez. Teria sido interessante perceber o posicionamento do autor neste paradigma paradoxal em específico.

2.3

A extensa variedade de referências bibliográficas utilizada pelo autor é merecedora de destaque, são contabilizadas um total de 883 referencias bibliográficas ao logo de toda a investigação. É de destacar o desequilíbrio verificado na utilização pelo autor de fontes de caracter secundário em detrimento de fontes de caracter primário, este desequilíbrio porem é pertinente e encontra a sua justificação na natureza da presente investigação científica, pois sendo o objeto de estudo do autor a “avaliação da abordagem proferida por parte da “Sovietologia” ao setor militar soviético no contexto da economia soviética a totalidade da bibliografia analisada pelo autor são justamente as investigações cientificas (artigos científicos, livros temáticos, capítulos de livro, e livros técnicos) de caracter secundário produzidas pelos Sovietologos. Kontorovich escrutina as 883 obras utilizadas na sua investigação relativamente ao número de referências ao setor militar soviético presente nas mesmas, o que compactua com o objetivo de investigação. Verifica-se ainda uma utilização equilibrada por parte do autor de fontes de origem ocidental e de bibliografia proveniente do espaço soviético. Os autores mais citados pelo Kontorovich são os investigadores nas áreas da economia comprativa com especialização em Sovietologia Abraham Bergson, Morris Bornstein, Michael Ellman, Paul Gregory e Alec Nove. Estes autores são a alegoria da tese inicial de Kontorovich, foram justamente eles que sendo as maiores autoridades no campo de estudos da economia comparativa com especialização em Sovietologia menosprezarem a importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética.

Apesar de um grande número de citações efetuadas pelo Kontorovich, existe uma lacuna nas fontes utilizadas pelo mesmo. Kontorovich não recorreu as obras de autores importantíssimos que também desenvolveram os seus estudos na área da Sovietologia como o Cohen, Breslauer e Remington, desprezando assim uma plataforma de diálogo entre a sua investigação e as investigações desses autores. 

Kontorovich referenciou as suas fontes segundo um critério coerente, recorrendo a um modelo de normas de formatação uniforme o que permite um leitor não especializado compreender a sua proveniência de forma clara.

2.4

ATal como exposto no ponto 3.3.3 a abordagem metodológica por parte do autor é coerente. no seio da disciplina de Relações Internacionais.   O livro de Kontorovich é um excelente exemplo da utilidade do 3º debate e em Relações Internacionais entre o positivismo e pós-positivismo, expondo por um lado de forma clara os limites das abordagens positivistas na análise das dinâmicas internacionais nomeadamente do realismo, demonstrando por outro a utilidade de teorias do espectro pós-positivista,  como o construtivismo, mesmo que de forma implícita.

Se o realismo positivista facilmente explica a militarização soviética através das suas premissas fundamentais como a necessidade de aumento de poder da URSS e logica da autoajuda. De que forma explicaria o realismo o ignorar por parte da Sovietologia da militarização soviética? Um fator tão importante como a militarização soviética que poderia ter posto em causa a própria existência do Estado norte americano. É justamente neste ignorar por parte da Sovietologia da importância do setor militar soviético que a abordagem positivista nomeadamente o realismo encontra os seus limites por conta da sua abordagem pouco flexível e da consideração do Estado como um ator relativamente homogéneo.

Este impasse metodológico poderá ser resolvido com recurso a uma abordagem construtivista por via do conceito de antropomorfização do Estado de Wendt[14] e o conceito de heterogeneidade estatal introduzido pelo Onuf[15].Por que razão estes dois conceitos são importantes neste contexto? É fundamental considerar e entender as dinâmicas expostas pelo autor no capítulo 6 e 7 sob o prisma da teoria construtivista, na medida em que os Sovietologos podem ser considerados como um dos agentes que compõe o Estado e cujas ações formam o comportamento do Estado norte americano. É através por exemplo da compreensão heterógena e antropomórfica do Estado norte americano no qual os Sovietologos são um agente que compõe o Estado e influencia o seu comportamento na medida que perseguem os seus objetivos pessoais em detrimento do avanço na produção de conhecimento científico que a compreensão deste fenómeno se torna possível, enquanto uma análise deste fenómeno através de uma teoria inserida no espectro positivista provavelmente nos conduziria a um beco sem saída. Porem, na sua obra, Kontorovich não recorre de forma explicita aos conceitos acima mencionados. O autor poderia ter conectado as premissas construtivistas de antropomorfização do Estado e heterogeneidade estatal com as dinâmicas que estiveram na base do menosprezar pelos Sovietologos do setor militar soviético no contexto da economia soviética enunciadas pelo autor nos capítulos 6 e 7[16], elevando assim o grau de completude da sua investigação.

Interessante ainda de referir o seguinte, se dissidirmos efetuar o exercício inverso e tentarmos compreender através dos conceitos de heterogeneidade estatal e antropomorfização do Estado sob a alçada da teoria construtivista a razão para uma estratégia agressiva da URSS no que concerne a sua militarização não teríamos grandes dificuldades em determinar segundo a logica anteriormente exposta que os agentes estaduais responsáveis diretamente pelo setor militar soviético (sendo estes um ator com autonomia de escolha que compõe o Estado soviético) agiram com base nas suas ideias, interesses, crenças, necessidades e racionalidades, influenciando o comportamento de Estado soviético sendo estas ações posteriormente associadas as ações da unidade estatal soviética como um coletivo.

Apesar de Kontorovich utilizar claramente um método dedutivo na sua investigação ao estabelecer no início do seu livro, que o seu objetivo é demonstrar a desconsideração existente por parte dos Sovietologos pela importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética, o autor não refere de forma explicita se recorreu ao método dedutivo ou indutivo. Nesta obra em particular tal leva o leitor a alguma confusão, afinal de onde vem a premissa identificada no início do livro de que a Sovietologia menosprezou a importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética?

Pois, a probabilidade de o autor ter feito justamente o contrário, isto é, primeiro ter analisado cada instância em particular para chegar a conclusão final (a Sovietologia menosprezou a importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética) é grande, porem, na sua obra, o autor apresenta primeiramente a premissa geral, verificando posteriormente a aplicabilidade dessa premissa geral às instâncias particulares. Pedia-se ao autor uma clarificação relativamente ao método de analise (dedutivo ou indutivo) de facto por si utilizado. Pois de outra forma, é possível manifestar suspeitas de que, ao ter estabelecido uma premissa geral o autor tenha caído na ansiedade de ver a aplicabilidade dessa premissa geral às instâncias particulares, ingressando assim numa análise subjetiva, onde Kontorovich pudesse querer ver aquilo que não existia, somente para ver a sua premissa geral confirmada.

2.5

Kontorovich dotou a sua obra de uma estrutura coerente, seguindo uma sequência logica coesa característica da dialética hegeliana, abordando o processo de produção do conhecimento através da aplicação do raciocínio “tese, antítese e síntese” nos termos da qual foi gradualmente expondo os argumentos e dados apresentados sob forma de tabelas para validar as teses presentes em cada capítulo (como por exemplo: os Sovietologos não identificaram as intenções militares dos responsáveis soviéticos pela planificação da economia e os Sovietologos não foram capazes de identificar a principal causa da industrialização soviética), o que por sua vez conduziu a validação da sua tese sínteseinicial (a Sovietologia menosprezou a importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética), contribuindo desse modo para a unidade da obra.

2.6

Kontorovich recorre ao uso de uma linguagem clara, abstendo-se de formulações complexas que prejudicariam a clarividência do conteúdo da obra. O autor destaca-se pelo fornecimento e uso continuo das definições de termos técnicos[17]  (como por exemplo: a Civilização que consiste segundo o autor na interpretação embelezada e otimista das intenções militares soviéticas pelos Sovietologos (Kontorovich , 2019)), expondo ainda as noções de conceitos económicos (como por exemplo: a despesa militar em tempos de guerra e em tempos de paz e a subsidiarização dos preços pagos pelos militares aquando da aquisição de bens e serviços) de um modo compreensível para um leitor não qualificado da área da economia. De destaque particular considera-se ainda a criatividade linguística de Kontorovich quando este transcreve da língua russa para o inglês uma anedota conhecida no espaço pós-soviético[18], conseguindo preservar na integra o sentido, a comicidade e a utilidade da mesma.

2.7

Kontorovich recorre a utilização oportuna ao longo de toda a obra de quadros sistematizadores de informação, nomeadamente de tabelas de dados organizados por exemplo para demostrar a baixa presença de referências na literatura Sovietologa ao setor militar soviético através de tabelas  3.1, 3.2, 3.3, 3.4, 3.5, 3.6, 3.7, 3.8, 3.9, 3.10, 3.11, 3.12, 3.13 e 3.14 durante todo o 3º capítulo. A constelação das tabelas disponibilizadas pelo autor permite ao leitor identificar inequivocamente o escasso número de referências na literatura Sovietologa ao setor militar soviético.  Apesar da utilização de tabelas de dados organizados para sustentar a sua tese, o autor poderia ter recorrido a modelos de interpretação mais sofisticados, como por exemplo, gráficos de correlações com várias variáveis para esquematizar as diferentes tendências por ele visadas.

2.8

Identifica-se um impasse na atribuição de um sentido estrito a obra, isto é a alocação da obra do autor á um domínio académico conciso,  uma vez sendo o objeto de estudo do autor a avaliação do desempenho dos Sovietologos na atribuição da importância ao setor militar no contexto da economia soviética, é possível estabelecer uma conexão com variados campos académicos como por exemplo; Estudos da Segurança, Economia, Economia Comparativa, Sovietologia, e Relações Internacionais. É difícil, porem ao mesmo tempo legitimo afirmar que pPor conta da utilização de métodos tendencialmente positivistas a obra pode assumir uma pertença predominante a área de estudos da Economia, Economia Comprativa ou a Sovietologia, porem como exposto no ponto 4.4 não seria legitimo ignorar a impregnação da dimensão epistemológica do campo académico de Estudos da Segurança e por consequente de Relações Internacionais que esta obra contempla.

2.9

No inico da década de 1990, autores como Stephen Cohen e Martin Malia exerceram as suas críticas a Sovietologia numa logica ampla (Breslauer, 1992). Richard Pipes tal como Kontorovich imputou a Sovietologia a interpretação errónea das realidades do sistema soviético através da alocação dos seus elementos constituintes em categorias manifestamente mais racionais e otimistas inventadas pelas ciências sociais ocidentais (Remington, 1992). Este conjunto de autores estabelece a partida um limite na originalidade da obra de Kontorovich, em virtude de a mesma não ser pioneira no seu campo de atuação. Porem se é legítimo estabelecer o teto de originalidade da obra do autor, isto é identificar as investigações que demonstrem os limites da originalidade da obra do autor nomeadamente por conta da existência de trabalhos anteriores a respeito da temática abordada pelo autor, também é legítimo referenciar o ponto “rodapé” da originalidade da obra de Kontorovich, isto é identificar as investigações relativamente as quais o contributo cientifico do autor ganha utilidade e se destaca das investigações anteriores. Alguns autores como Konai e Nove apresentaram nas suas obras a predominância do setor militar na economia soviética como um dado adquirido sem recorrer ao uso de citações de fontes que suportassem as suas alegações (Kontorovich , 2019), é justamente em comparação a estas obras que o capítulo 3 de Kontorovich responsável pela demonstração da relevância do setor militar soviético para a economia soviética representa um avanço na produção conhecimento nesta área de estudos. Todavia, evidencia-se uma tendência de consolidação e monotonização do conhecimento já produzido pelo autor em virtude de o presente livro ser um produto de partes de 3 artigos científicos escritos pelo autor em 2009, 2014 e 2015 que por sua vez foram elaborados na sequência da não materialização de um capítulo de livro escrito pelo autor 1996 (Kontorovich , 2019). Quer o capítulo do livro, como também os artigos científicos mencionados abordam de grosso modo a mesma problemática e seguem a mesmo raciocínio logico da obra objeto desta recensão. 


[1] A causa: a baixa presença de referências na literatura Sovietologa ao setor militar soviético.

A consequência: os Sovietologos manifestaram uma falta de interesse na atribuição da importância do setor militar soviético no contexto da economia soviética.

[2] A causa: a baixa presença de referências na literatura Sovietologa a respeito das intenções militares dos responsáveis soviéticos pela planificação da economia.

A consequência: os Sovietologos manifestaram uma falta de interesse na atribuição da importância do setor militar no contexto da economia soviética.

[3] aA causa: a baixa presença de referências na literatura Sovietologa a respeito da industrialização soviética tendo como seu principal objetivo o fortalecimento da indústria militar.

Aa consequência: os Sovietologos manifestaram uma falta de interesse na atribuição da importância do setor militar no contexto da economia soviética.

[4] 1- Normas gerais da economia académica da qual a Sovietologia era uma pequena parte.

2- Especificidades especiais do caso soviético/socialista e as sensibilidades políticas associadas ao objeto de estudo

[5] 1- Os Sovietologos não proferiram referencias significativas ao setor militar soviético na sua literatura.

2- Os Sovietologos não identificaram as intenções militares dos responsáveis soviéticos pela planificação da economia.

3- Os Sovietologos não foram capazes de identificar a principal causa da industrialização soviética, que consistia no fortalecimento da indústria militar.

[6] 1- Baixa presença de referências na literatura Sovietologa ao setor militar soviético, 2- baixa presença de referências na literatura Sovietologa a respeito das intenções militares dos responsáveis soviéticos pela planificação da economia, 3- baixa presença de referências na literatura Sovietologa a respeito da industrialização soviética tendo como seu principal objetivo o fortalecimento da indústria militar.

[7] Segundo o autor, a realidade material existente, isto é, a URSS como uma potencia cujo principal foco económico seria o fomentar de um setor militar forte, foi percecionada de forma “civilizada” por um conjunto de atores relevantes para o efeito como; os Sovietologos, a área académica económica geral e os governos ocidentais, ou por outras palavras dito, ignorada. Desconsideração esta, que nas analises e interpretações do autor não teve o mínimo espaço de existência e foi fortemente criticada, afirmando mesmo que os dirigentes soviéticos e a indústria soviética tinham como principal objetivo a criação de um setor militar forte, facto ignorado pelos Sovietologos.

A desconstrução bem-sucedida promovida pelo autor da perceção coletivamente construída que consistia na “civilização Sovietologa das intenções militares soviéticas”, apenas confirma o postulado construtivista de Wendt que partiu da noção anárquica no sistema internacional como aquilo que os estados dela fazem (Wendt, 1992) para extrapassar esse conceito em direção a um modelo de regra geral; uma realidade é o que nos dela fazemos, pois a perceção sobre o mesma é socialmente construída.

[8]  Apesar de o autor não especificar manifestamente a relevância da identificação dessa falha, a intenção do autor durante a obra é clara e consiste na apresentação de um conjunto de argumentos de modo a consciencializar os investigadores desta área de estudos da incompletude das suas análises.

[9] 1- Normas gerais da economia académica da qual a Sovietologia era uma pequena parte, 2- Especificidades especiais do caso soviético/socialista e as sensibilidades políticas associadas ao objeto de estudo.

[10] De outra forma a investigação careceria de utilidade racional, pois se o autor tenciona demonstrar que a Sovietologia falhou na atribuição de importância ao setor militar soviético é necessário evidenciar que este setor de facto detém relevância para a circunstância.

[11] A subsidiarização dos preços pagos pelos militares aquando da aquisição de bens e serviços promovida pelo resto da economia e pelo Governo soviético poderia significar uma subestimação da real despesa militar da União Soviética.

[12] Nos capítulos 3, 4 e 5 o autor demonstra a manifestação da falta de interesse por parte da Sovietologia na atribuição da importância ao setor militar no contexto da economia soviética por via da;

  1. baixa presença de referências na literatura Sovietologa direcionada ao setor militar soviético, para este efeito é de destacar positivamente a analise exaustiva por parte do autor de livros, artigos científicos, volumes de pesquisa, capítulos de livros e livros temáticos.
  2. Desconsideração pelos Sovietologos das intenções militares dos responsáveis soviéticos pela planificação da economia, por exemplo através da incapacidade dos Sovietologos em reconhecer o objetivo real dos planeadores soviéticos quando estes estimularam o investimento na indústria pesada, cujo objetivo final teria sido o fortalecimento do setor miliar a longo prazo (Kontorovich , 2019).
  3. Incapacidade por parte dos Sovietologos em identificar a principal causa da industrialização soviética, cujo principal motivo consistia no fortalecimento da indústria militar (Kontorovich , 2019).

[13] Kontorovich (2019) não nega a existência de algum sigilo relativamente a informação disponível acerca do setor militar soviético. Ao mesmo tempo afirma que, a informação existente mesmo que dispersa era suficiente para que os Sovietologos pudessem produzir um trabalho de qualidade e nomeia ainda os autores (Schwartz, Millar, Krylov, Kaser, Campbell, Dyker, Nove, Gregory e Stuart) que apesar na opinião de Kontorovich não terem feito um trabalho de qualidade (pois negligenciaram a importância do setor militar soviético para a economia soviética), não encontraram a falta de informação com um obstáculo na elaboração das suas investigações. 

[14] que consiste na atribuição de características humanas como a racionalidade, ideias, interesses, crenças e intencionalidade ao Estado ( Barros, 2017).

[15] admitindo assim que o Estado é composto por uma coletividade na qual existem agentes que através das suas escolhas individuais influenciam o comportamento do Estado ( Barros, 2017).

[16] Segundo Kontorovich a génese da baixa presença de referências na literatura Sovietologa direcionada ao setor militar soviético (exposto pelo autor nos capítulos 3,4 e 5) encontra-se no facto de que os Sovietologos perseguiam os seus objetivos pessoais (ascensão de carreira) em detrimento da ética cientifica e do avanço na produção de novos conhecimentos científicos, adotando métodos de analise da disciplina geral de economia que não poderiam ser considerados os mais adequados neste caso particular. 

[17] Por exemplo: o termo “Civilização” que consiste segundo o autor na interpretação embelezada e otimista das intenções militares soviéticas pelos Sovietologos (Kontorovich , 2019), expondo ainda as noções de conceitos económicos como por exemplo: a despesa militar em tempos de guerra e em tempos de paz e a subsidiarização dos preços pagos pelos militares aquando da aquisição de bens e serviços.

[18] A anedota retrata um operário fabril soviético, que vai furtando peças da fábrica onde trabalha. A unidade fabril produz componentes para as máquinas de costura, porem quando o operário tenta montar uma máquina de costura com as peças que foi furtando ao longo do tempo, em vez de montar uma máquina de costura completa, monta sempre uma metralhadora.

BIBLIOGRAFIA

Barros, M. A. (2017). O estado pós-positivista: uma análise a partir das perspectivas construtivista e pós-estruturalista das Relações Internacionais. Estudos Internacionais: Revista De Relações Internacionais Da PUC Minas, 5(1), 5-24.

Breslauer, G. (1992). In Defense of Sovietology. Post-Soviet Affairs, 8(3), 197-238.

Freitas, R., Silva, C., & Mateus , S. (2020). A Crise Russa Pós-União Soviética e a Corrupção. Boletim do Museu Integrado de Roraima, 13(1), 61-69.

Kontorovich , V. (2019). Reluctant Cold Warriors Economists and National Security. Nova Iorque: Oxford University Press.

Remington, T. (1992). Sovietology and System Stability. Post-Soviet Affairs, 8(3).

Wendt, A. (1992). Anarchy is what States Make of it: The Social Construction of Power Politics. International Organization, 46(2), 391-425.

reluctant cold warriors